terça-feira, 18 de maio de 2010

Sobre o tema do Encontro


“A política é o bem supremo do homem”, já dizia Aristóteles. Esse conceito, aliado à liberdade das cidades gregas, tornava a atividade política digna e permitia que não houvesse submissão nem ingerência entre elas. Hoje, (ainda) vivemos em uma sociedade livre, com o debate público e a liberdade de expressão como componentes basilares de nossa tão suada democracia. Trabalhamos para que nosso estado (também) ofereça condições ao exercício pleno da cidadania, com a possibilidade de um debate político frutífero, que contemple as mais diferentes tendências, e que dele brotem soluções para problemas que, historicamente, nos mantém cativos e com pouca esperança de alforria. A liberdade política está intrinsecamente ligada à liberdade de expressão, e nós, jornalistas, somos sujeitos desta simbiose. Não só os que fazem assessoria de políticos, quanto e, principalmente, os que escrevem sobre política. O debate sobre o assunto é importante e indispensável para garantir o pluralismo, a transparência, a intervenção, a defesa de direitos conquistados, hoje e no futuro. Além disso, estamos em um ano eleitoral, em um processo que a cada dia esquenta mais, e com contornos e implicações regionais e nacionais. O papel do assessor de comunicação na política: acreditamos ser o momento e o tema adequado para o encontro em nossa conjuntura atual.

Adriana Cirqueira 

terça-feira, 11 de maio de 2010

Sob o meu olhar


Para o caboclo que sobe a serra diariamente para a lida diária na roça, este é apenas mais uma curva do caminho. Pra mim, é beleza e poesia.
E não apenas pelo mato verde e o cheiro de chuva no ar. Mesmo na seca este pedaço de sertão teria seu encanto. Aquele calor que parece sair do chão ressequido e poeirento, que tremeluz, engana os olhos, como miragem. 
Gostaria que, olhando a imagem, você pudesse sentir o aroma do mato e o calor do sol. Pudesse ouvir o som dos pequenos (e grandes!) insetos no ar e dos répteis por entre as pedras ou mato baixo. Ver os rebanhos ao longe, alguns homens (e mulheres, e crianças) limpando o roçado; e as linhas, bem desenhadas, dos "pés" de feijão, de milho e macaxeira.
Tudo mesmo depende do olhar: uns vêem trabalho duro, outros beleza e poesia.

Adriana Cirqueira

Deixe seu comentário no blog da Adriana Cirqueira

Ocorreu um erro neste gadget